segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Erros de português podem anular uma boa argumentação na redação do Enem? Descubra

Descubra o quanto seus erros ortográficos podem prejudicar sua nota na redação do Enem


Fonte: Universia Brasil
Fonte: Universia Brasil
Não se preocupar com a ortografia pode descontar sua nota na redação, mesmo que você desenvolva uma boa argumentação
Vivemos num mundo em que a tecnologia impera juntamente com algumas ferramentas que facilitam nossas vidas, como o corretor automático. Digitar tudo no computador ou no smartphone sem se preocupar com a ortografia é quase uma dádiva, certo? Errado.



Às vésperas do Enem 2014, não se preocupar com a ortografia pode descontar sua nota na redação, mesmo que você desenvolva uma boa argumentação. Segundo a professora do Cursinho da Poli, de São Paulo, Andrea Lanzara, “há casos em que alunos conseguem trabalhar bastante com a estrutura, a coesão, a articulação e a relação dos nexos gramaticais, mas que tem uma série de erros de ortografia. Se o problema é recorrente, a nota vai sendo descontada cada vez que o problema aparecer.”
Ficou preocupado? Pois saiba que é comum cometer alguns deslizes durante a prova e os examinadores tem consciência disso. Por isso, a professora assegura que “se o problema não for recorrente, ele pode passar sem ter implicação nenhuma.”

Dessa forma, ao terminar a redação, releia-a. Confira se você cometeu não apenas erros de ortografia, mas também erros de pontuação. Fazendo isso, você consegue salvar preciosos pontos para a sua nota final. E, convenhamos, esse pequeno esforço valerá muito a pena no ano seguinte, certo?

Por onde eu começo a prova do Enem?

Se você está na dúvida se começa a prova pela redação ou pelos testes, veja a dica de uma professora e decida o que fazer


Fonte: Universia Brasil
Fonte: Universia Brasil
Organização é essencial para que o aluno administre bem seu tempo durante a prova do Enem
Organização é essencial para que o aluno administre bem seu tempo durante a prova do Enem, sobretudo no que diz respeito ao segundo dia, já que ele terá que responder 90 questões objetivas e ainda elaborar uma dissertação.


Como o tempo é curto e as obrigações são muitas, os alunos geralmente não sabem por onde começar. Se esse é o seu caso, você não tem com o que se preocupar. A Universia Brasil levou sua dúvida para a professora de redação do Cursinho da Poli, de São Paulo, Andrea Lanzara.

É comum que o estudante pense que ele deve fazer a redação inteira de uma vez ou então todas as questões testes. Contudo, segundo a professora Andrea, o estudante não deve seguir nenhuma 
dessas alternativas
. Para ela, a melhor opção é outra: “considerando o tempo, é importante uma leitura geral. Então, primeiro, ele deve ler atentamente a proposta, fazer um plano de texto e anotar as ideias principais dos excertos. Feito isso, ele deve fazer a prova e, ao mesmo tempo, amadurecer aquelas ideias. Só depois de metade da prova feita, ele desenvolve a proposta de redação”, explicou.

Para isso, controle bem o seu tempo: não perca tempo com questões que você não sabe a resposta. Marque-as para resolvê-las mais tarde, depois de responder aquelas que você tem certeza da resposta. Além disso, uma boa dica é ir com um relógio no pulso para ver quanto tempo falta para o final da prova. Mas, não se esqueça: o Enem não permite aparelhos digitais, ou seja, leve um relógio analógico.

Veja como o Facebook pode ser seu aliado na hora de retomar questões históricas

Professora diz que a internet é um meio rápido e dinâmico de retomar os conteúdos. Descubra como


Fonte: Universia Brasil
Fonte: Universia Brasil
“Vale a pena a informação da internet mesmo, porque é uma informação mais resumida, mais dinâmica e que vem mais rápido”
Faltando poucos meses para o Enem, a lista de conteúdos para revisão é imensa. Se sua preocupação ainda é adquirir bagagem histórica tanto para a redação quanto para as questões objetivas, estudar pode ser complicado e responsável por consumir muito do seu tempo.

Para a professora de redação Andrea Lanzara do Cusinho da Poli, de São Paulo, a internet é a melhor maneira de dar conta destes conhecimentos em um espaço tão curto de tempo. E ela explica: “para quem deixou para trás alguns conhecimentos, vale a pena a informação da internet mesmo, porque é uma informação mais resumida, mais dinâmica e que vem mais rápido”.

E como lidar com os textos da internet? A professora acredita que a melhor maneira de trabalhar com esses artigos é fazer um apanhado deles e anotar suas principais ideias. Mas ressalta: “esse aluno não pode simplesmente copiar essas ideias. Ele tem que refletir e formar um ponto de vista, que mostre essa reflexão autônoma sobre o problema.”

O Facebook também pode ser um aliado porque, segundo ela, “há vários perfis de revistas de história que problematizam algumas questões atuais da realidade brasileira. Então, acho que vale a pena ele enveredar por esses artigos mesmo, para tentar se preparar mesmo às vésperas da prova”, assegurou.

Ficou curioso para saber quais são as páginas a que ela se referia? Veja a seguir três sugestões da professora:


Entenda o que é uma proposta de redação

Os erros mais comuns dos estudantes na redação estão justamente na interpretação da proposta de redação


Fonte: Universia Brasil
Os textos motivadores são os principais aliados dos estudantes para compreender sobre o que eles devem dissertar
Saber trabalhar a proposta de redação pode ser bastante complexo para alguns alunos e, por vezes, se torna a razão para que ele considere a dissertação um pesadelo. Por isso, a Universia Brasil conversou com a professora de redação Andrea Lanzara doCursinho da Poli, de São Paulo, e esclareceu qual é a melhor maneira de lidar com a proposta.


Mas, primeiro, qual é a função de uma proposta de redação? A professora Andrea explica da seguinte forma: “A proposta de redação vai faz um recorte, especifica sobre o que o aluno vai falar. Além de tudo, é na proposta de redação que o aluno lê os textos motivadores, que não devem ser copiados.”

Inclusive, os textos motivadores são os principais aliados dos estudantes para compreender sobre o que eles devem dissertar desde que eles os utilizem da seguinte forma:

1 – Ler atentamente

2 – Identificar quais são as ideias principais de cada um

3 – Refletir sobre o tema a partir dessas ideias

4 – Posicionar-se diante do tema

5 – Pensar em exemplos próprios e outros artifícios que o ajudem a argumentar

6 – Escrever a dissertação

Segundo a professora, os maiores erros dos alunos estão justamente na maneira como eles abordam a proposta de redação. Fugir do tema é muito comum, sobretudo se o aluno não desenvolver um plano de texto enquanto reflete sobre o tema. Portanto, antes de entregar a redação, tenha certeza de que seu texto respeitou o recorte temático proposto pelo Enem.

Dessa forma, assim que você receber a proposta de redação, leia atentamente e identifique sobre o que você deve dissertar. Tomando esse simples cuidado você já está garantindo um melhor desempenho na redação do Enem deste ano.


7 erros que você NÃO DEVE cometer na redação do Enem

Professora aponta quais são os maiores responsáveis para que os alunos tenham notas ruins nos seus textos


Fonte: Universia Brasil
Fonte: Universia Brasil
Copiar trechos dos textos motivadores é um erro grave
O medo de cometer erros na redação do Enem atrapalha muitos estudantes enquanto eles redigem seus textos, afinal a falta de confiança e certeza se estão escrevendo corretamente são grandes empecilhos. Para tentar ajudá-lo, a Universia Brasil conversou com a professora de redação Andrea Lanzara do Cursinho da Poli, de São Paulo, e perguntou quais os erros mais graves que os alunos podem cometer nessa etapa da prova. Confira-os a seguir:








1 – Fugir do tema

“Um erro bastante grave é fugir do tema proposto”, aponta professora. Muitas vezes, isso ocorre porque o aluno não fez uma leitura atenta da proposta e dos textos motivadores, ambos de extrema importância para que o estudante tenha um bom desempenho nessa parte da prova. “Toda redação em vestibular deve ser desenvolvida a partir de um recorte temático e quem faz esse recorte é a proposta de redação”, explicou a professora. Por isso, anote as principais ideias dos textos da coletânea e, ao final,releia seu texto e confira se ele realmente disserta sobre o tema em pauta.
2 – Copiar trechos dos textos motivadores
É comum, quando não se tem conhecimento prévio do tema da redação, copiar trechos dos textos motivadores para incrementar sua redação. Contudo, esse é considerado um erro grave, mesmo se o aluno os utilizar numa citação. “Se o aluno copiar, sua redação não será desclassificada, mas ele vai ter parte do texto completamente desconsiderada. Então, ele perderá na progressão textual”, justificou a professora. Por isso, de maneira nenhuma, copie frases quanto mais parágrafos destes excertos.

3 – Escrever fora das normas do texto dissertativo-argumentativo

“Tem muita gente que desenvolve narração, escreve poema”, exemplifica a professora Andrea. Tradicionalmente, o Enem propõe que o estudante escreva um texto dissertativo-argumentativo, por isso foque seus estudos nisso. E também não é recomendável inserir técnicas de outros tipos textuais, como aliteração, na sua redação. “O aluno tem que saber que ali ele só tem espaço para desenvolver estrutura do tipo dissertativo-argumentativo.”

4 – Desrespeitar os direitos humanos

Os temas propostos pelo Enem geralmente versam sobre problemas de relevância nacional e, por isso, é cobrado do aluno uma solução. No entanto, essa sugestão deve respeitar os direitos de todos, independentemente de raça, credo, gênero, idade, cultura, etc. Por isso, é inaceitável expressar qualquer discurso que fira os direitos humanos. O mesmo vale para argumentos de cunho racista, por exemplo. Andrea Lanzara alerta: “se o aluno desrespeitar os direitos humanos, a redação será anulada.”

5 – Argumentar em um único parágrafo

“A argumentação não pode ser desenvolvida em um único parágrafo. Cada argumento, cada informação deve ser desenvolvida em parágrafos diferentes”, afirma a professora. “Então, se o aluno tem três argumentos para trabalhar, ele vai abrir três parágrafos no desenvolvimento”, exemplificou. Portanto, para evitar esse erro, organize suas ideias no plano de texto já pensando quais informações pertencem a qual parágrafo.

6 – Não seguir a norma culta da língua portuguesa

Segundo Andrea Lanzara, o texto dissertativo requer o uso da norma culta. Por isso, “o aluno não pode misturar termos de oralidade, como “tipo assim”, além de outras gírias e abreviações”, esclareceu a professora.

7 – Usar o senso comum

Clichês e ideias muito batidas não são bem-vindos na sua redação, afinal o examinador quer observar a sua análise pessoal do tema e não ver reproduzido no seu texto o que ele escuta cotidianamente. Para a professora, “tem que fugir mesmo da utilização do senso comum.” Mas, lembre-se: ser original não significa fazer uma análise sem sentido da situação. É simplesmente refletir por si só sobre a questão.


“Somos todos macacos” pode ser usado como argumento na redação do Enem?

Veja quais cuidados você deve tomar caso queira usar este exemplo na sua argumentação


Fonte: Universia Brasil
Fonte: Universia Brasil
O aluno pode sim usar esse exemplo na sua argumentação, desde que não fique no senso comum
Durante um jogo do Barcelona, enquantoDaniel Alves se preparava para cobrar um escanteio, um torcedor do Villarreal, da Espanha, atirou uma banana em campo como uma maneira de ofender o jogador brasileiro. Em sinal de protesto, o lateral direito descascou a fruta e a comeu ali mesmo, em pleno jogo do campeonato espanhol.

Neymar, companheiro de time e amigo de Daniel Alves, lançou, em tom de ironia, a hashtag “Somos todos macacos” numa rede social como sinal de apoio ao colega e de protesto contra o preconceito racial que os jogadores negros têm sofrido nos campeonatos de futebol ao redor do mundo. Descobriu-se, pouco depois, que essa era uma ação publicitária do atacante brasileiro e da agência Loducca, que se aproveitaram da atitude do jogador do Barcelona para lançar a campanha.

Ação de marketing ou não, “Somos todos macacos” foi um dos assuntos mais comentados no primeiro semestre deste ano, tendo inclusive o apoio de muitas personalidades, que postaram fotos comendo bananas. Além disso, instalou-se um severo debate quanto à questão do racismo no esporte, afinal a campanha não apenas teve diferentes interpretações, como este tópico é discutido no Brasil há muito tempo.

Tendo em vista a repercussão destes fatos, o racismo pode ser um dos temas da redação do Enem, segundo a professora Andrea Lanzara do Cursinho da Poli, de São Paulo. E o aluno pode sim usar esse exemplo na sua argumentação, mas a professora alerta: “ele tem que se desviar do senso comum. Ele não pode ficar só em cima dessa questão do ‘somos todos macacos’. O aluno tem que aprofundar suas reflexões, falando também sobre o passado e sobre como está no presente”, explica. Portanto, seria um equívoco usar a hashtag como o argumento central da sua tese. O que você pode fazer é usá-la como pontapé inicial para discutir o racismo.

Entretanto, sabendo que o Enem anula todas as redações que desrespeitem os direitos humanos e que existem várias interpretações quanto ao “somos todos macacos”, será que vale a pena mesmo usar esse exemplo? Para a professora, tudo depende de como o estudante argumentar. “Tentar defender a escravidão a partir disso é impossível”, exemplifica Andrea.

A melhor maneira de contextualizar esse exemplo é “pensar essa questão racial pela história e pela sociologia”, explica a professora Andrea. Por isso, antes de citar essa campanha na sua redação, tenha certeza que você consegue inseri-lo num plano de fundo histórico ou sociológico para que sua discussão não fique superficial.



Entenda como a criação dos vagões femininos pode cair no Enem

Professora afirma que o assédio às mulheres pode ser tema da redação deste ano


Fonte: Universia Brasil
Fonte: Universia Brasil
Entenda com o tema pode ser cobrado na redação do Enem
No dia 4 de julho, em São Paulo, foi aprovada a criação dos chamados “vagões rosa” , isto é, vagões dedicados “exclusivamente para o uso de mulheres“. Segundo o deputadoJorge Caruso (PMDB), idealizador do projeto, essa medida é uma maneira de prevenir o assédio às usuárias do metrô e dos trens da CPTM, sobretudo nos horários de pico.










O projeto de Caruso, no entanto, não é novidade no Brasil: o Rio de Janeiro tem vagões exclusivos para as mulheres desde 2006, enquanto o Distrito Federal os instituiu no ano passado. Apesar de não ser um assunto inédito, a dúvida quanto à aprovação ou não desta medida pelo governador Geraldo Alckmintem dividido opiniões e chamado a atenção da mídia nacionalmente.

Na verdade, nos últimos anos, o assédio a mulher no transporte público foi um assunto recorrente nos jornais, principalmente em 2014, com a descoberta de páginas na internet que incentivavam as “encoxadas” e o debate referente à propaganda do Metrô, que declarava que os vagões lotados eram bons para “xavecar a mulherada”. Por isso, Andrea Lanzara, professora do Cursinho da Poli, de São Paulo, acredita que este possa ser um tema para a redação do Enem deste ano.

“Eu vejo que essa questão pode ser discutida a partir do seguinte recorte: os vagões femininos seriam formas legítimas de direito ou seriam uma forma de segregação dos gêneros? ”, disse.

Deste modo, é importante que o estudante retome o que foi veiculado nos últimos meses sobre o assédio a mulher, lendo não apenas informativos, mas também algumas análises que mostrem preferencialmente lados distintos desta mesma questão. Fazendo isso, o candidato reunirá artifícios para discutir o tópico e formará uma opinião própria, duas capacidades avaliadas e valorizadas na redação do Enem.

Veja 3 dicas para fazer uma boa redação no Enem 2014

Uma redação bem escrita pode ajudá-lo a garantir uma vaga na universidade dos seus sonhos. Veja 3 dicas para fazer um bom texto


Fonte: Shutterstock
Fonte: Shutterstock
A redação representa uma grande parte da nota do Enem, portanto é essencial que você consiga escrever um bom texto para garantir a sua vaga na universidade dos sonhos. Você está preocupado com a qualidade da sua escrita? Siga as seguintes dicas e garanta um bom desempenho:




1 – Não repita palavras

Textos com palavras que se repetem são cansativos e, geralmente, pouco criativos. Quando você perceber que está usando muito uma palavra específica, pense em sinônimos para ela e a substitua. Sua redação ficará mais fluida.

2 – Mudou de assunto? Mude de parágrafo

Suponha que você está fazendo uma redação cujo tema é educação e deseja abordar o ensino infantil e o superior. Cada uma tem as suas características, portanto é essencial que você separe os dois temas em parágrafos diferentes. Isso fará com que o seu texto fique mais claro e conciso.

3 – Cuidado com os sinais de pontuação

Uma boa redação não é construída só com palavras, mas também com sinais de pontuação, como os pontos finais e vírgulas. É fundamental que você saiba usá-los nas horas certas, porque é isso que fará com que o seu texto fique organizado e faça sentido ao avaliador.